O que é o cancro da mama?

Março 2, 2008

Miguel Pereira

O cancro da mama é uma das doenças com maior impacto nas sociedades contemporâneas. Segundo a Direcção-Geral de Saúde, surgem cerca de 4 mil novos casos por ano. A grande maioria dos infectados são mulheres, mas também pode atingir homens.

Um tumor maligno, uma massa dura e irregular, que se desenvolve no tecido mamário, por causa de um crescimento anormal do número de células que constituem as células mamárias. Todos os dias morrem em Portugal cerca de quatro pessoas morrem com esta doença e são detectados onze novos casos deste cancro, que é o que tem mais incidência no nosso país.

É comum pensar-se que este flagelo só atinge as mulheres. Esta doença também atinge os homens, embora seja raro: em Portugal, apenas um em cada cem casos de cancro na mama surge num homem. Logo, é nas mulheres onde a doença mais se propaga, sendo esta a principal causa de morte nas mulheres entre os 35 anos e 55 anos, sendo que anualmente há 1500 mulheres que morrem vítimas desta doença.

Desde 1986, para combater a terrível realidade da doença, a Liga Portuguesa Contra o Cancro desenvolve o Programa de Rastreio Nacional do Cancro da Mama. Esta iniciativa tem como objectivo diagnosticar os tumores na fase inicial, que assim podem ser curáveis e controláveis.

Principais factores de risco:

– Mais de 50 anos
– Antecedentes familiares
– Mestruação antes dos 12 anos
– Menopausa após os 54 anos
– Não ter filhos
– Ter o primeiro filho depois dos 30 anos
– Obesidade
– Ingestão excessiva de álcool

Como aceder ao Programa de Rastreio Nacional?

Todas as mulheres, entre as mulheres os 45 e os 69 anos, inscritas no Serviço Nacional de Saúde, pode aceder gratuitamente ao programa de rastreio.

Unidades móveis viajarão pelo país e estacionam em vários concelhos, onde voltam dentro de dois anos. As mulheres residentes nesse concelho são convidadas, por carta, a se deslocarem à unidade, de modo a efectuar uma “mamografia de rastreio”.

Os resultados negativos são informados através de uma carta emitida pelo Centro de Leituras do Núcleo da Liga Portuguesa do Cancro a que pertençam. Em caso de haver necessidade de efectuar mais exames complementares, haverá uma convocação para uma consulta de avaliação. Quanto mais cedo se detectar a doença, mais probabilidades há para uma cura.

Embora não se saiba uma causa específica para a doença, é aconselhado um estilo de vida de salutar: fazer exercício físico; ter uma alimentação saudável; restringir o consumo de álcool; não fumar, e despir o soutien sempre que possível.

mama1.jpg

Quais os métodos de diagnóstico precoce do cancro da
mama?

● Evite que o cancro se espalhe para outras partes do corpo,
antecipe-se, e faça um diagnóstico precoce:

● Realize a mamografia de rastreio.

● Faça um auto-exame das mamas mensalmente.

● Vá ao médico especialista em patologia mamária uma vez por ano.

O que é?

A mamografia é um simples Raio-X à mama. Normalmente é indolor e demora menos de 30 minutos.

Deve ser feita de quanto em quanto tempo?

De dois em dois anos, a partir dos 45 anos. Pode ser realizado antes dessa idade, sempre que o médico achar conveniente.

Para que serve a mamografia?

Serve para detectar alterações na glândula mamária, que indiciem a presença efectiva ou a possibilidade de vir a desenvolver o cancro da mama. Portanto, é um método de rastreio fundamental na detecção precoce desta patologia.

Onde se realiza?

Pode ser feita de forma gratuita, nas Unidades Móveis e Fixas de Rastreio do Programa Nacional de Rastreio de Cancro da Mama da LPCC.

Que cuidados deve ter antes de realizar uma
mamografia?

No dia do exame deve evitar, usar desodorizantes; perfumes; loções ou cremes sobre a mama ou na axila.

Durante o exame, a mama é comprimida por poucos segundos, algumas mulheres queixam-se de dor, pelo que será recomendável marcar o exame para alguns dias após o fim do ciclo menstrual, altura em que a mama está menos sensível.

Faça um Auto – exame:
Como se faz?

1- Em pé, em frente ao espelho e com os braços esticados ao longo do corpo, observe as suas mamas.

2-Coloque uma mão atrás da nuca e palpe a mama esquerda (incluindo a área próxima da axila) com a mão direita, pressionando com a ponta dos dedos.

3-Repita os passos I e II na outra mama.

Todas as mulheres com mais de 20 anos devem realizar o auto-exame da mama como rotina mensal.

Que sintomas se deve procurar?

Observe com atenção tipo o de alterações que surjam, as mais comuns são: nódulos; veias salientes; secreções dos mamilos; sensibilidade no mamilo; retracção do mamilo (virado para dentro da mama) ou outras alterações na forma, no tamanho,
na consistência, na cor ou na pele de uma ou ambas as mamas.

Na maioria das vezes, estes sintomas não estão associados a cancro, mas é importante que, caso detecte alguns destes sintomas, consulte o médico de imediato.

Atenção: o auto-exame da mama não substitui a mamografia regular de rastreio.

Nas consultas de ginecologia de rotina, o seu médico realizará, entre outros, um exame semelhante a este, a que se dá o nome de Exame Clínico da Mama.

Estar alerta para os sintomas é o primeiro passo para um diagnóstico precoce e um acompanhamento adequado, para evitar a progressão do cancro.

Fazer um exame clínico:
O que é?

Durante um exame clínico da mama, o médico palpa as mamas em diferentes posições, usando a ponta dos dedos para sentir quaisquer alterações e/ou nódulos. Um nódulo, geralmente, só é palpável quando apresenta um tamanho igual ou superior ao de uma ervilha. Um exame clínico completo da mama, pode demorar cerca de 10 minutos a ser realizado.

Qual a importância de detectar cedo?

Sabia que o tamanho médio de um tumor é:

• 0,5 cm-quando é detectado por mamografia.
• 1 cm – quando é detectado num exame médico.
• 2 cm – quando é detectado por uma mulher que faz
a palpação mamária todos os meses.
• 3,5 cm – quando é detectado por uma mulher que não faz a palpação mamária todos os meses.

“A informação é a melhor prevenção” informe-se com o seu médico e faça dele o se melhor conselheiro.

Fonte: http://www.laco.pt

Anúncios

Programa de computador detecta Alzheimer

Fevereiro 24, 2008

alzheimer2.jpg

Fábio Canceiro

Os computadores podem diagnosticar a doença de Alzheimer com mais rapidez e precisão que os médicos, podendo a sua utilização aumentar as opções de tratamento, informa um estudo publicado na quinta-feira na revista Brain.

“A vantagem dos computadores é que são mais baratos, mais rápidos e mais precisos do que os métodos actuais de diagnóstico”, afirmou Richard Frackowiak, do Centro de Neuroimagens do Colégio Universitário de Londres.
“Este novo método faz um diagnóstico objectivo sem necessidade de intervenção humana”, explicou.
A doença de Alzheimer, que afecta principalmente as pessoas com mais de 65 anos, é uma doença neurodegenerativa e incurável. O doente começa por ter perda de memória, passa por um estado de demência e acaba por falecer.
O Alzheimer é causado por uma acumulação de placas que irão provocar atrofia cerebral. Mas o principal problema é que só depois da morte do paciente é que o diagnóstico é definitivo.
O actual método de diagnóstico consiste em escaneamentos cerebrais, análises ao sangue e entrevistas aos pacientes. Além disso, apesar de se realizarem vários exames ao sangue nem sempre se consegue distinguir a doença de Alzheimer de uma demência comum. A precisão é de apenas 85 por cento.
Contudo, a equipa liderada pelo professor Richard Frackowiak desenvolveu um programa informático que pode diferenciar as características cerebrais de um doente que sofra de Alzheimer com um que não sofra.
“O nível de precisão deste programa foi superior ao diagnóstico de 86 por cento conseguido pelas melhores clínicas”, asseguraram os cientistas.
Além disso, os investigadores conseguiram também distinguir a doença de Alzheimer de outra doença semelhante chamada demência Fronto-Temporal.
“O próximo passo é ver se pudemos usar a mesma técnica para acompanhar a evolução da doença num paciente”, informou Frackowiak.
Os cientistas acrescentam que esperam no futuro obter uma ferramenta que “não seja invasiva e seja capaz de determinar a eficácia dos tratamentos com novos medicamentos, evitando desta forma fazer exames clínicos dispendiosos.

Fonte: EFE

Segredo para a cura do Cancro pode estar nos produtos naturais

Dezembro 10, 2007

framboesa_de_ouro1.jpg

Fábio Canceiro

Cientistas da Universidade de Ohio demonstraram que os ingredientes naturais podem desempenhar um papel importante na cura do cancro.

Investigações feitas pela Universidade de Ohio, mostraram, por exemplo, que o carcinoma da boca pode regredir através de um tratamento com um gel à base de framboesas pretas. Por seu turno, uma bebida energética à base de frutos poderá tratar eficazmente o cancro da próstata. Já o chã verde permite terapias eficazes no tratamento do cancro colorrectal.

Estas investigações foram apresentadas na Conferência Anual da American Association for Cancer Research, que está a decorrer em Filadélfia.

Fonte: DN

HIV infecta seis portugueses por dia

Novembro 25, 2007

preservativo.jpg

Fábio Canceiro

No ano passado foram infectados por HIV seis portugueses por dia. Sexo sem protecção e uso de seringas ajudam a explicar estes dados.

De acordo com o relatório anual da Onusida, foram contabilizados 2162 novos casos durante o ano de 2006. Este número coloca Portugal em quarto lugar entre os países da Europa Ocidental.

As relações sexuais sem uso de protecção são o principal factor de risco e logo a principal causa de infecção.

Em Portugal e Espanha, o uso de seringas contaminadas entre toxicodependentes continua também a ter um grande peso nas estatísticas.

Fonte: DN

Novos testes de detecção do VHI em Portugal

Novembro 12, 2007

 laco-da-sida.jpg

Fábio Canceiro

São testes rápidos que detectam em poucos minutos a existência ou não do vírus da Sida no nosso corpo. O processo é semelhante aos testes de gravidez. 

Este novo teste encontra-se em fase de divulgação e foi apresentado este Sábado durante a XI reunião sobre infecção VIH/sida, no Estoril.

Com este novo método os doentes portadores verão aumentar a suas possibilidades de cura, uma vez que até aqui o problema estava na diagnosticação tardia da doença.

Estima-se que haja em Portugal cerca de 20 mil casos de infecção diagnosticados, contudo o número de doentes por diagnosticar deverá ser duas vezes superior.

Fonte: DN

Beber cerveja após exercício físico faz bem

Novembro 4, 2007

cerveja-caneca-b.jpg

 Fábio Canceiro

Uma pesquisa levada a cabo por cientistas espanhóis sugere que a ingestão de cerveja após exercício físico pode ser benéfica para a saúde.

 

O jornal britânico Daily Mail publicou um estudo realizado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Granada em Espanha, no qual se demonstra que a bebida ajuda a repor o líquido que se perde na transpiração.

Segundo os investigadores os açúcares, os sais e o gás que contem a cerveja ajudam o organismo a absorver os fluidos mais rapidamente.

O estudo foi liderado pelo professor Manuel Garzon, que colocou 25 estudantes a correrem numa passadeira sob temperatura de 40º c.

No final metade dos estudantes bebia dois copos de cerveja, enquanto que a outra metade bebia água.

Esta experiência foi repetida durante vários meses.

A conclusão do estudo, publicada no Daily Mail, demonstrava que os estudantes que bebiam cerveja apresentavam níveis de hidratação superiores a quem bebia apenas água.

Segundo o Daily Mail, com base no estudo, os investigadores aconselham o uso moderado de cerveja após a prática de exercício físico – cerca de 500 ml para os homens e 250 ml para as mulheres, como parte de uma dieta atlética.

Fonte: Semanário Sol

Madeira: Mosquitos são impossíveis de erradicar

Outubro 28, 2007

aedes-aegypti-2.jpg

Fábio Canceiro

Numa entrevista dada à Lusa, o director regional de Saúde Pública da Madeira, Maurício Melim, pronunciou-se acerca da proliferação de mosquitos, “Aedes Aegypti”, que podem ser portadores da dengue.

Maurício Melim disse ser “praticamente impossível” erradicar os mosquitos da Região, mas assegurou que não há qualquer caso detectado na Região de mosquito portador do vírus. Nos últimos dias tem sido veiculadas notícias sobre um eventual surto da doença de dengue na Madeira, o que para o director regional no momento “não passa de ficção”. Melim assegurou que a Direcção Regional de Saúde Pública da Madeira está alerta e “ a seguir as orientações internacionais para lidar com este tipo de situações”.

Este tipo de mosquitos sempre existiu na Madeira, mas só foi detectado em 2005, porque “só se manifestam quando atingem uma certa densidade”.

O número de mosquitos tem aumentado e como explica Maurício Melim, “estão espalhados pelo globo, devendo-se o fenómeno a alterações climáticas, à forma como cresceram as cidades e às viagens a destinos exóticos onde existem estas doenças”.

“Falar em epidemias não ajuda”

Para o director regional não existe necessidade de alertar as pessoas e acrescenta que “falar de epidemias não está a ajudar em nada a Madeira, nem a saúde, nem o turismo”, que pelo contrário “só está a descredibilizar a Região”.
Maurício Melim explicou ainda que a luta contra o mosquito tem passado pelo “ controlo físico”( vistoria casa a casa, quarteirão a quarteirão). O objectivo é destruir o maior número possível de “criadoros”(local onde as fêmeas depositam os ovos).
Além de uma visita a milhares de casas no Funchal, o combate aos mosquitos tem passado também por utilizar produtos insecticidas em cursos de água e em sarjetas com vista a “matar os adultos”. “Tem surtido efeito mas não consegue erradicar os mosquitos, porque há ovos em locais onde não acedemos”, lamentou Maurício Melim
Anunciou igualmente que foram encomendadas armadilhas ao Brasil e à Alemanha e que está em cima da mesa um programa de colaboração com o Instituto de Higiene e Medicina Tropical, com vista a “lidar com o problema de forma mais eficaz, com conhecimento mais abrangente.

Fonte:Lusa/ Portugal Diário

Medicamentos para a Artrite vão ser gratuitos

Outubro 20, 2007

enbrel.jpg

Os medicamentos para a artrite reumatóide, para a espondilite aquilosante e para outras três doenças crónicas (artrite psoriática, artrite idiopática juvenil poliarticular e psoríase) vão passar a ser gratuitos.

Até aqui, estes medicamentos não eram comparticipados, sendo pagos na totalidade pelos doentes. Em média um doente com artrite reumatóide podia gastar por ano entre três a dez mil euros só em medicamentos. O Enebrel, por exemplo, um imunomodulador que está disponível em Portugal desde 2000, custava 695 euros.

Num despacho assinado pelo secretário de Estado da Saúde, Francisco Ramos, “considera-se haver interesse público na dispensa gratuita destes medicamentos”. Contudo, o mesmo despacho indica que “estarão apenas disponíveis nos hospitais”, uma vez que “a especificidade dos tratamentos disponíveis e o risco dos próprios medicamentos impõem que a sua administração deva ser iniciada e controlada por médicos com experiência no diagnóstico e tratamento destas doenças”.

Estas enfermidades afectam cerca de oito mil portugueses, que desta forma poderão beneficiar de um acesso gratuito a estes medicamentos e aliviar um pouco a sua despesa de saúde.

Fonte: DN

Fábio Canceiro

Portugal com fracos serviços de Saúde

Outubro 5, 2007

servicos-de-saude.jpg

Portugal encontra-se em 19º lugar num ranking que avaliou os sistemas de saúde de 29 países Europeus.
A Health Consumer Powerhouse, uma organização sueca, levou a cabo um estudo que visou aferir a qualidade dos serviços de Saúde existentes na Europa.
O estudo incidiu sobre 29 países europeus, e colocou Portugal no 19º lugar, atrás de países como o Chipre, a República Checa, a Estónia ou a Eslovénia.

Uma longa espera por uma consulta de clínica geral ou de especialidade; elevada mortalidade por enfarte ou AVC; A escassez de operações às cataratas e de nos cuidados dentários, disponíveis, são pontos negativos que ajudam a explicar a baixa classificação de Portugal. Esta avaliação é coincidente com aquela feita pelo Ministério da Saúde, que admite ser necessário tomar medidas que ajudem a combater esta tendência.
Curiosamente este estudo já tinha sido feito o ano passado, e, na altura, Portugal ocupava o 16º lugar, mas o facto de o estudo se ter alargado à Bulgária, Noruega e Roménia, fez com que Portugal caísse 3 posições na lista.
O melhor qualificado desta lista foi a Áustria, seguida da França que foi considerado o ano passado o país com o melhor serviço de Saúde da Europa.

Fábio Canceiro

Fonte:DN